VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de maio de 2016

NOVAS PERSPECTIVAS PARA O BRASIL - O PT, COM DILMA E LULA, SAIU PELA PORTA DOS FUNDOS.


Pela porta dos fundos. Essa foi a imagem mais forte da saída de Dilma do governo. Em que pese o fato de Lula e a petralhada, com Stédile, terem tentado organizar uma “caminhada” do Planalto até o Palácio da Alvorada, acompanhando a mandatária afastada, rapidamente desistiram da ideia ao perceber o número esmirrado de simpatizantes que toparia a brancaleônica marcha. Como registrou O Antagonista (12-05-2016): “Abortaram a brilhante ideia porque não havia gente suficiente para carregar o caixão”.
Ouvi o discurso de Temer e gostei. Nada de promessas mirabolantes. Sensatez e pé no chão nas propostas. Reconhecimento de que pode errar, embora tenha toda a vontade do mundo para acertar. Valorização da livre imprensa e dos demais mecanismos de comunicação entre o poder e o povo. Diminuição do tamanho do Estado, simbolizada na redução de ministérios de 32 para 23 e na volta das privatizações de empresas estatais. Destaque para as áreas em que o Estado tem de se fazer presente: saúde, segurança e educação. Reforma da Previdência para sarar a ferida por onde jorra o dinheiro público. Valorização da operação “Lava-Jato”, que se tornou “referência nacional”, bem como da Magistratura. Manutenção de políticas sociais justas e bem equilibradas no orçamento. Respeito à mandatária afastada. Destaque para o fato de estar assumindo a Presidência em virtude da força das Instituições. Valorização do Congresso que, por ampla maioria, colocou Dilma em escanteio. Pregação da união nacional, num momento em que é necessário salvar o País do abismo da crise moral, da inflação e do descrédito internacional. Elaboração de um orçamento transparente, em que não se neguem os 96 bilhões deixados pela roubalheira e a incapacidade petista.
O discurso do golpismo foi-se embora com os petralhas. Voltarão, é claro, à praça pública, como oposição, esgrimindo as mesmas armas e vociferando a surrada retórica. Mas o processo de impeachment deixou claro quem e quantos são eles. A sua representação, pelas contas das recentes votações na Câmara e no Senado, mal chega a 27%. Fora do poder, essa porcentagem vai diminuir ainda mais no seio da sociedade brasileira. O problema deles é que são totalitários, não deixando espaço para quem deles diverge. Ora, os totalitarismos somente são aceitáveis para quem está dentro deles. Para quem está do lado de fora, ele é veneno que deve ser evitado. Assino embaixo das palavras do Reinaldo Azevedo no seu post de hoje:
“Que coisa curiosa! Se os petistas não tivessem reduzido todas as divergências à luta entre boa-fé, de que se querem monopolistas, e a má-fé – a vontade do outro -, então viveríamos no que um poeta chamou certa feita de ‘a cidade exata, aberta e clara’, em que as divergências não se fazem de virtudes que se negam. (...) Dilma se foi! Fico feliz porque ela me deixava mais cansado do que bravo. Seguirei tocando a minha vidinha (...)”.  
É claro que o Estado patrimonial continua vivo. Só foi desmanchada a sua versão totalitária que o tornaria permanente. A “ponte para o futuro”, na qual Temer pretende transitar, pode se constituir num processo de diminuição do vício do patrimonialismo do Estado brasileiro. Se este consiste em ser mais forte do que a sociedade, o fortalecimento das instituições democráticas certamente ajudará no desmonte do Leviatã e na sua substituição por um Estado democrático e moderno, posto a serviço da Nação. Temos bons motivos, portanto, para comemorar o fim da era lulopetralha.

Um comentário: