Pesquisar este blog

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

UM ROTEIRO PARA O MEC

Amigos, escrevo como docente que, através das vozes de algumas pessoas ligadas à educação e à cultura (dentre as quais se destaca o professor e amigo Olavo de Carvalho), fui indicado para a possível escolha, pelo Senhor Presidente eleito Jair Bolsonaro, como ministro da Educação.

Aceitei a indicação movido unicamente por um motivo: tornar realidade, no terreno do MEC, a proposta de governo externada pelo candidato Jair Bolsonaro, de "Mais Brasil, menos Brasília". Acho que o nosso Presidente eleito ganhou definitivo apoio da sociedade brasileira no pleito eleitoral recente, em decorrência de um fator decisivo: ele foi o único candidato que soube traduzir os anseios da classe média, que externou a insatisfação de todos os brasileiros com os rumos que os governos petistas imprimiram ao país ao ensejar uma tresloucada oposição de raças, credos, nós contra eles, como se não pudêssemos, os habitantes deste país, sedimentar alguns consensos básicos em relação ao nosso futuro. Jair Messias Bolsonaro foi eleito em razão deste fato: traduziu, com coragem e simplicidade, os anseios da maioria dos eleitores. A sua campanha, carente de tempo na mídia e de recursos, ameaçava não decolar. Decolou, e, mais ainda, ganhou as praças e ruas, através de meios singelos de comunicação como o Smartphone e a Internet, coisas que o brasileiro comum utiliza no seu dia a dia desta quadra digital da nossa sociedade tecnológica. 

Como professor e intelectual que pensa nos paradoxos estratégicos do Brasil, apostei desde o início no candidato Bolsonaro. Achei a sua proposta de escutar o que as pessoas comuns pensam uma saída real para a insatisfação e a agonia que as sufocavam, nesses tempos difíceis em que se desenhava, ameaçadora, a hegemonia vermelha dos petistas e coligados. Graças a Deus o nosso candidato saiu vencedor, numa campanha agressiva em que foram desfraldadas inúmeras iniciativas de falseamento das propostas e de fake news, e em que pese o fato de que ele próprio tivesse de pagar um preço alto com a facada de que foi vítima em Juiz de Fora, desferida por um complô do crime organizado com os radicais de sempre.

Enxergo, para o MEC, uma tarefa essencial: recolocar o sistema de ensino básico e fundamental a serviço das pessoas e não como opção burocrática sobranceira aos interesses dos cidadãos, para perpetuar uma casta que se enquistou no poder e que pretendia fazer, das Instituições Republicanas, instrumentos para a sua hegemonia política. Ora, essa tarefa de refundação passa por um passo muito simples: enquadrar o MEC no contexto da valorização da educação para a vida e a cidadania a partir dos municípios, que é onde os cidadãos realmente vivem. Acontece que a proliferação de leis e regulamentos sufocou, nas últimas décadas, a vida cidadã, tornando os brasileiros reféns de um sistema de ensino alheio às suas vidas e afinado com a tentativa de impor, à sociedade, uma doutrinação de índole cientificista e enquistada na ideologia marxista, travestida de "revolução cultural gramsciana", com toda a coorte de invenções deletérias em matéria pedagógica como a educação de gênero, a dialética do "nós contra eles" e uma reescrita da história em função dos interesses dos denominados "intelectuais orgânicos", destinada a desmontar os valores tradicionais da nossa sociedade, no que tange à preservação da vida, da família, da religião, da cidadania, em soma, do patriotismo.

Na linha dos pre-candidatos ao cargo de ministro da Educação foram aparecendo, ao longo das últimas semanas, propostas identificadas, uma delas, com a perpetuação da atual burocracia gramsciana que elaborou, no INEP, as complicadas provas do ENEM, entendidas mais como instrumentos de ideologização do que como meios sensatos para auferir a capacitação dos jovens no sistema de ensino. 

Outra proposta apareceu, afinada com as empresas financeiras que, através dos fundos de pensão internacionais, enxergam a educação brasileira como terreno onde se possam cultivar propostas altamente lucrativas para esses fundos, mas que, na realidade, ao longo das últimas décadas, produziram um efeito pernicioso, qual seja o enriquecimento de alguns donos de instituições de ensino, às custas da baixa qualidade em que foram sendo submergidas as instituições docentes, com a perspectiva sombria de esses fundos baterem asas quando o trabalho de enxugamento da máquina lucrativa tiver decaído. Convenhamos que, em termos de patriotismo, essas saídas geram mais problemas do que soluções.

Aposto, para o MEC, numa política que retome as sadias propostas dos educadores da geração de Anísio Teixeira, que enxergavam o sistema de ensino básico e fundamental como um serviço a ser oferecido pelos municípios, que iriam, aos poucos, formulando as leis que tornariam exequíveis as funções docentes. As instâncias federal e estaduais entrariam simplesmente como variáveis auxiliadoras dos municípios que carecessem de recursos e como coadunadoras das políticas que, efetivadas de baixo para cima, revelariam a feição variada do nosso tecido social no terreno da educação, sem soluções mirabolantes pensadas de cima para baixo, mas com os pés bem fincados na realidade dos conglomerados urbanos onde os cidadãos realmente moram. 

Essa proposta de uma educação construída de baixo para cima foi simplesmente ignorada pela política estatizante com que Getúlio Vargas, ao ensejo do Estado Novo, pensou as instituições republicanas, incluída nela a educação, no contexto de uma proposta tecnocrática formulada de cima para baixo, alheando os cidadãos, que passaram a desempenhar o papel de fichas de um tabuleiro de xadrez em que quem mandava era a instância da União, sobreposta aos municípios e aos Estados.

"Menos Brasília e mais Brasil", inclusive no MEC. Essa seria a minha proposta, que pretende seguir a caminhada patriótica empreendida pelo nosso Presidente eleito.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

PÁGINA VIRADA - JACY DE SOUZA MENDONÇA



No livro da vida, as páginas são viradas, uma a uma, lenta mas inapelável e ininterruptamente. Delas, depois de fechadas, restam apenas recordações, lições, e a consciência de sucesso ou decepção; ficam tristezas ou alegrias; fica a saudade ou o alívio emocional.

No livro da História do Brasil virou-se mais uma página. Tinha como título o caminho para o socialismo; estava aberta há quase vinte anos, aterrorizando os bem informados sobre o que se passou em outros lugares do mundo, ao trilharem o mesmo roteiro. Os brasileiros, porém, de forma firme, evidente, inquestionável, fecharam-na sem guardar saudade; e fizeram-no à sua moda - incruenta. Enquanto muitas nações, com o mesmo propósito, para tanto foram obrigadas a sofrer o derramamento de sangue fraterno, aqui isso foi feito de forma pacífica, nas urnas eleitorais, frias, criticadas, mas comprovadamente eficientes e isentas. Foi escolhido um candidato aparentemente sem chance alguma de ser eleito: um Deputado Federal pouco conhecido no País, que não contava com o fundo eleitoral, não tinha tempo de televisão, não integrava nenhum grupelho político, nem mesmo podia contar com o respaldo de um Partido tradicional; tinha ainda contra si o fato de ser visto como militar, categoria hoje tão malquerida entre nós que nem se anima a andar fardada pelas ruas; além do que, a guerra encetada contra ele, principalmente por professores e a imprensa, pintou-o perante a opinião pública como um monstro perigoso, assustador. Apesar de tudo, foi ele o vencedor. A seu favor contou apenas o fato de ser radicalmente contrário à página socialista. Por isso, e parece que só por isso, foi o escolhido pela maioria dos brasileiros.

Abre-se agora nova página no livro de nossa História e abre-se com imensa carga de esperança, com o intenso desejo de que os últimos resquícios do socialismo sejam escoimados dentre nós; que as promessas de liberdade civil, política, religiosa e econômica se tornem realidade; que esse povo possa voltar a ser feliz.

Muitas, por certo, serão as dificuldades, a maioria delas já anunciadas, mas pouco importa, porque muito forte é também o anseio por um futuro melhor, um futuro pacífico, sem a ameaça de repetição de uma Cuba ou Venezuela entre nós, sem as dores do desemprego e da miséria.

Oxalá! Que Deus nos ajude!

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

QUEM NECESSITA DO PT?



Amigos, nesta ante-véspera da eleição de domingo, que escolherá o próximo Presidente da República, faço minhas as lúcidas palavras do arquiteto e escritor gaúcho Percival Puggina, no artigo que segue e cujo conteúdo subscrevo inteiramente. 

A quem interessa a eleição do candidato do PT, Fernando Haddad? Não há dúvida de que tal candidatura representa os interesses daquilo que foi a pior herança dos últimos tempos, o ciclo lulo-petista, que desmontou as instituições republicanas e nos colocou nesta via sem saída da recessão, da corrupção generalizada e da violência que pipoca pelos quatro cantos do país, fazendo miles de vítimas fatais do crime organizado e da desmoralização das instituições.

O que os brasileiros de bem querem é que haja uma reversão imediata desse quadro fatídico, a fim de poderem viver em paz, no seio das suas famílias, sem ofensas continuadas aos valores mais prezados do povo brasileiro: respeito pela família, pela religião, pelas tradições que sedimentaram os valores mais caros à nossa História, que o PT e colaboradores jogaram pelo chão com a prática sistemática da corrupção e da aliança com o crime organizado.

Que o nosso candidato Jair Messias Bolsonaro seja eleito no próximo domingo como Presidente do Brasil. Somente assim, colocando na Presidência da República um líder que teve a coragem de ouvir a voz do povo nas ruas e no seio das famílias, será possível reconstruir o tecido social, esgarçado pelos ódios que mais de uma década de dominação petista plantou criminosamente no seio da nossa sociedade.

Vamos confiantes às urnas. Nestes dois últimos dias de campanha, falemos com familiares, amigos e conhecidos, a fim de reforçarmos o número dos eleitores de Bolsonaro e fazermos frente, assim, às tentativas de fraude que os inimigos da Pátria não duvidam em praticar. "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!"


 QUEM NECESSITA DO PT?

Percival Puggina

          Não, não escreverei sobre aquela fração do eleitorado dependente do Bolsa Família e laboriosamente convencida de ser, também, dependente do PT (embora o programa exista por força de lei). Escreverei sobre outros grupos na torcida de Haddad.
Começo pelo próprio partido do candidato. O PT seria o primeiro e o principal beneficiário de uma vitória petista. Convém, então, que o eleitor se questione. O legado dos 14 anos de petismo no poder é desalentador.  Organizações criminosas operaram sem qualquer constrangimento no aparelho de Estado. Os réus são confessos, bilhões são devolvidos e as delações robustecidas por farto material comprobatório. Simultaneamente ao vexame e perda de credibilidade internacional, emergiram o desemprego, a recessão e a instabilidade política. Apesar disso, nenhum arrependimento, nenhuma autocrítica, nenhum pedido de desculpas à nação. Ao contrário, críticas à Lava Jato, recriminações à Justiça em geral e a Sérgio Moro em especial.
          Assim, também aos criminosos, agentes do crime organizado e desorganizado, interessa a eleição do candidato petista. Afinal, o partido defende restrições às penas de prisão e condenações mais breves. É notória sua animosidade em relação às atividades policiais e simétrico zelo em relação aos bandidos. O PT defende desencarceramento, semiaberto, saidinhas, saidões e indultos. É pelo desarmamento, contra a redução da maioridade penal, e sustenta – apesar de toda criminalidade das ruas e estradas – que no Brasil se prende demais. Em Bolsonaro é que os bandidos não vão votar!
          Uma vitória petista interessa muito ao Grupo Globo, que há longo tempo vem proporcionando em novelas, especiais e reportagens o substrato cultural e de costumes necessário à penetração política das ideias de esquerda. Seus atores e celebridades estão sempre disponíveis, ao estalar de dedos do PT, para o que der e vier. Convém ao Brasil, aumentar o poder da Globo? E, no mesmo diapasão, ampliar a influência da Folha, da Veja, da Época, e a fauna da “mídia amiga”, sempre interessada em conversar com Franklin Martins, perito em retribuir apoios?
          Sem similar a qualquer democracia de respeito, estabeleceu-se, com o tempo, uma inequívoca proximidade entre o PT e figuras execráveis da política internacional. Ditadores africanos de Angola, Congo, Zimbabué, Guiné Equatorial, Gabão, Venezuela, Cuba, Nicarágua obtiveram financiamentos privilegiados do BNDES durante os governos petistas. E o recebimento é duvidoso. Eles apreciariam muito a volta do PT ao poder.
          Também os infiltrados no aparelho de Estado, na burocracia federal, nas estatais, torcem pela volta do PT porque isso representará a retomada de sua própria influência. O trabalho de fazer cabeças, manipular a História, preparar militantes de esquerda e fornecer recursos humanos para as carreiras de Estado ganharia novas energias nas salas de aula. Da mesma usina acadêmica saem os difusores da ideologia de gênero e os programas que trazem essa sexualidade pós-moderna, auto-reverse, para crianças confiadas pelos pais ao sistema de ensino!  Será que convém atender aos interesses políticos da burocracia e do funcionalismo militante?
          Os eleitores de Bolsonaro, diferentemente, são cidadãos que clamam por paz social, segurança, combate à criminalidade, proteção da infância e da família, preservação dos valores morais, respeito e ordem pública. Desejam apenas viver e trabalhar, com seus direitos fundamentais respeitados, sem serem perturbados pelos agentes do mal e por aqueles que o cultivam.

_______________________________
* Percival Puggina (73), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

O NEOPOPULISMO E A SUA MANIFESTAÇÃO NA AMÉRICA LATINA

Capa da obra de Ricardo Vélez Rodríguez, lançada em 2008, sobre o Patrimonialismo na América Latina.

O fenômeno do populismo está na crista da onda, não apenas na América Latina, mas pelo mundo afora também. Baste lembrar o perfil populista apresentado, hoje, pelos líderes de grandes potências como Estados Unidos (Donald Trump, com o seu slogan de empreendedor agressivo que apregoa: “America first”), Xi Jinping (que vestiu a velha casaca de Imperador e se apresenta como novo líder da ortodoxia comunista) e Vladimir Putin (o salvador da Rússia).
As incertezas geradas pela globalização do mercado de trabalho nos países desenvolvidos (pondo em risco a antiga política do welfare state); a inclusão na economia de mercado de nações até há pouco tempo dependentes de regimes totalitários (como no Leste europeu); a onda de regimes democráticos surgidos na América Latina nos últimos vinte anos e que não conseguiram responder a contento aos reptos crescentes das suas sociedades; as reformas de inspiração liberal, feitas nas economias dos países sub-desenvolvidos, ao longo das últimas décadas, à luz do “Consenso de Washington”, reformas que, se bem reduziram a inflação de modo geral, no entanto não tiveram os resultados esperados do ângulo da produtividade, ainda muito sufocada pelas tradições estatizantes e familísticas na gestão da coisa pública; a democratização sui generis (com forte presença de uma liderança tradicional e carismática), em países do mundo islâmico (Turquia, Síria, Líbia, Irã); a entrada das nações africanas no período pós-colonial (ao longo da segunda metade do século passado) no caminho da regularização da vida democrática, (num contexto ainda marcado fortemente pelo tribalismo); a desaceleração da economia estadunidense durante os governos Clinton e Obama e os freios que esse fenômeno produziu em outras economias, particularmente no nosso Continente, essas seriam algumas das variáveis que têm contribuído para o surgimento do populismo, que pode ser considerado, nas versões mais radicais, como uma espécie de doença que afeta às democracias no momento em que entram em crise (de crescimento ou de desgaste).
Mas, também não se pode negar que, nas versões soft, o populismo é, fundamentalmente, um estilo de fazer política, com líderes carismáticos corajosos que olham para onde os políticos tradicionais deixaram de olhar, para o lado individual de pessoas que sofrem com as crises dos sistemas, muito além das grandes tipificações sociológicas.
Neste último caso, encontramos populistas que tomam o leme da nau que ameaça naufragar e inspiram, em suas sociedades, graças ao carisma de que gozam, novas esperanças que terminam se tornando porta de saída para a vivificação de instituições caducas. Nesse estilo de governo com tintes fortemente carismáticos, mas que termina dando alento às instituições desgastadas, podemos identificar a ação de estadistas como Donald Trup, nos Estados Unidos, Emanuel Macron, na França, Álvaro Uribe Vélez na Colômbia, François Legault (o conservador que acaba de ganhar as eleições para primeiro-ministro da província de Québec no Canadá) ou o recente fenômeno de Jair Bolsonaro no Brasil, que conseguiu unificar as oposições diante do fracasso estrondoso do lulopetismo, ao redor de uma proposta que olha para as reivindicações da classe média, fortemente premida pelas vagas de violência, corrupção, cinismo ideológico e incompetência. Reação característica diante da aparição desse tipo de lideranças reconstrutoras é adotada pela imprensa de esquerda que, célere, batizou impropriamente o novo estilo como “fascismo”.
Atendendo às versões menos moderadas da síndrome populista, observamos que Nações desenvolvidas, como a França, viram surgir, nos pleitos eleitorais dos últimos quinze anos, figuras de caráter populista situadas em vários parâmetros do espectro ideológico, como Jean-Marie Le-Pen, Michel Bové ou Ségolène Royal. Na Itália, às voltas com a dramática redução do crescimento econômico se firmou o populista Berlusconi. Na América Latina, é rica a plêiade de líderes populistas que chegaram ao poder nos últimos vinte anos: o casal Kirschner na Argentina, o coronel Chávez na Venezuela, o presidente Correa no Equador, Evo Morales na Bolívia, o bispo Lugo no Paraguai, o líder sindical López Obrador no México, etc. No Brasil, o populismo carismático de Lula abiu espaço para a aventura lulopetista, com a derrubada da economia nos governos presididos pelo “poste” Dilma Rousseff e a interminável série de affaires de corrupção, ao ensejo do Mensalão e do Petrolão, objeto da Operação Lava-Jato.
Fenômeno tão amplo merece ser estudado com detalhe. Não me deterei numa caracterização do Populismo, nas suas várias manifestações ao longo do século XX. Isso exigiria um trabalho de mais fôlego, só para dar conta de populismos tradicionais como o varguista, no Brasil, o peronista, na Argentina, o gaitanista (seguido, depois, pelo rojas-pinillista ou anapista), na Colômbia, o ensejado pela longa hegemonia do Partido Revolucionário Institucional no México, ou o encarnado por ditadores militares como Juan Vicente Gómez ou Pérez Jiménez, na Venezuela.  Fixarei a atenção no denominado neopopulismo, que acompanha as reações das sociedades hodiernas perante a globalização econômica. Tratarei, portanto, de fenômeno atual, que se circunscreve às duas últimas décadas do século passado e que abarca, obviamente, as quase duas décadas transcorridas do presente século XXI.
Pretendo, nesta exposição, desenvolver dois aspectos: I) o conceito de neopopulismo; II) de que forma esse fenômeno afeta a vida democrática da América do Sul, atualmente e no futuro próximo? [1]
I) O conceito de neopopulismo.
Dentre as muitas descrições conceituais em voga, deter-me-ei na elaborada por Pierre-André Taguieff, que me parece a mais adequada para caracterizar o fenômeno populista nas suas mais recentes manifestações. Para este autor, “o populismo, oscilando entre o autoritarismo e o hiper-democratismo, bem como entre o conservadorismo e o progressismo reformista – não poderia ser considerado nem como uma ideologia política, nem como um tipo de regime, mas como um estilo político, alicerçado no recurso sistemático à retórica de apelo ao povo e à posta em marcha de um modelo de legitimação de tipo carismático, o mais adequado para valorizar a mudança. É justamente porque se trata de um estilo, uma forma vazia preenchida do seu jeito por cada líder, que o populismo pode ser posto ao serviço de objetivos antidemocráticos, bem como de uma vontade de democratização” [Taguieff, 2007: 9]. Dois estudiosos brasileiros, Alberto Oliva e Mário Guerreiro [2007: 7], fazem uma caracterização semelhante: “Longe de ser uma doutrina, o populismo é um modo de fazer política e de exercer o poder”.
Destacarei, a seguir, 12 características que acompanham ao fenômeno do neopopulismo definido, segundo acabamos de ver, como um estilo político de amplo espectro ideológico. Alicerçar-me-ei, na identificação dessas características, também nos estudos desenvolvidos por outros estudiosos entre os que se contam Alan Greenspan, Horacio Vasquez-Rial, Simon Schwartzman, Alberto Oliva, Mário Guerreiro, Alvaro Vargas Llosa, Francisco Wefort, Guillermo O´ Donnell, etc.
1) Soteriologia. O estilo político do neopopulismo se encarna na figura do salvador do povo, quando se juntam os aspectos da retórica fácil com os relativos à modalidade de legitimação que Max Weber [1977: 847-888] identificava como carismática. A respeito, frisa Taguieff [2007: 10]: “a combinação do populismo-retórico com o populismo-legitimação carismática encarna-se na figura do demagogo ou do tribuno do povo, personagem que é, ao mesmo tempo, expressão, guia e salvador do povo, e que se apresenta como homem providencial e realizador de milagres – ou de um porvir maravilhoso”. O povo, para o líder populista, é uma entidade mítica afinada misteriosamente com o seu carisma pessoal. Essa feição arcaica do populismo é assim destacada por Taguieff [2007: 31-32]: “É necessário não desconhecer a dimensão mitológica de todo populismo, que reside na tese, sempre pressuposta, de que o povo existe e de que ele é dotado de uma unidade que lhe confere a sua identidade (ou a unicidade de sua figura), em face das elites ou das potências ameaçadoras, ou contra elas”.
2) Personalismo. O líder populista trabalha somente para a sua causa pessoal e, para isso, elabora um discurso em que esta aparece identificada com a causa do povo, dando ensejo, assim, a uma deformação do princípio da soberania; ele é um demagogo cínico. A respeito da alteração que o princípio da soberania sofre nas mãos do líder populista, escreve Taguieff [2007: 10-11]: “O princípio democrático da soberania, isolado e privilegiado em relação aos princípios liberais da separação e limitação dos poderes, pode ser objeto de interpretações diversas e inspirar múltiplas práticas, para as quais ele serve de modo de legitimação. Nesse sentido, o populismo é definível como a demagogia da época democrática, ou como a forma mínima assumida pela demagogia, quando o povo é tratado como uma categoria que pertence ao domínio do sagrado e fazendo parte de um culto”.
É na trilha do reforço à sua ação individual que o líder populista, no sentir de Oliva e Guerreiro, coloca toda a sua iniciativa política, a fim de manter os subordinados numa condição de dependência pessoal dele. A propósito, os mencionados estudiosos destacam o seguinte: “O fato de povo ser uma entidade de difícil caracterização permite aos populistas se apresentarem como seus porta-vozes. A nebulosidade do conceito de povo propicia as mais diferentes formas de retórica engabeladora. É da ambigüidade que se nutre o populismo. A busca de um contato direto com as massas tem geralmente por objetivo manipular tanto seu imaginário quanto suas carências. A despeito de todas as sublimações, o sonho dos populistas é exercer o poder da forma a mais concentrada possível” [Guerreiro – Oliva, 2007: 7].
3) Demagogia. O líder neopopulista é um demagogo que explora sistematicamente, no seu discurso, o ressentimento das massas contra as elites. Esse ressentimento alicerça-se, no caso latino-americano, como frisa Álvaro Vargas Llosa [2007: 19], no fato de que “temos uma cultura de pedintes, em lugar de uma cultura de criadores de riqueza”. A respeito desse artifício, escreve Taguieff: “Supõe-se, de início, que um líder é populista, quando se esforça por fazer crer para fazer agir, se dirigindo diretamente ao povo para melhor manipulá-lo e utilizá-lo. O que vem a conferir ao termo populismo o sentido do velho termo demagogia é ou bem o ato de agradar ao povo, e mais particularmente, a parte baixa do povo, para fazê-lo agir ou aceitar alguma coisa, sob a condição de que esse discurso agradável implique uma denúncia dos supostos responsáveis pelos males que são deplorados – no caso, as elites. É por isso que numerosos intérpretes do fenômeno populista insistem na exploração cínica, pelo líder, do ressentimento das massas contra as elites. O que leva a reduzir o populismo a alguma coisa como a patologia da democracia liberal/pluralista” [Taguieff, 2007: 11/12].
Essa patologia, nos casos mais extremados, conduz ao esmagamento de qualquer oposição, em obediência aos imperativos da “vontade soberana do povo”, expressos no imperativo unipessoal do líder carismático. Modalidade de democratismo que termina sepultando as possibilidades de construção de uma democracia pluralista verdadeiramente moderna. A propósito, escreve Taguieff [2007: 29], enfatizando a ambigüidade do fenômeno populista, que oscila “entre um hiper-democratismo (realização do sonho da transparência veiculada pelo ideal da democracia direta) e um antidemocratismo alimentado por pulsões ou pretensões autoritárias. Este é um aspecto essencial daquilo que pode ser caracterizado como a ambigüidade do populismo. Mas podemos entender também, por populismo, alguma coisa como um democratismo abusivo, uma demissão das elites da inteligência e do saber em face da massa, cujo poder funciona, desde logo, como poder de decisão. O triunfo da doxa constitui uma figura da tirania do maior número, índice do reino da quantidade. O povo sempre teria razão contra aqueles que o contradizem, tidos como rivais ou inimigos”. É uma versão atual e bem latino-americana da tirania da maioria, que Tocqueville [1992: 300-318] identificava como um dos riscos da democracia.
4) Sedução. O líder neopopulista é um sedutor das massas populares, utilizando, para isso, a mídia e as pesquisas de opinião. “Nas democracias representativas modernas – frisa Taguieff [2007: 12] -, que se inclinam em direção à democracia de opinião, trata-se, para todo populista, de induzir o maior número possível de cidadãos a votarem no sedutor que ele encarna, notadamente no meio de uma popularidade construída, legitimada e medida pelas pesquisas de opinião. Trata-se de levá-los a confiar no líder, se esforçando por seduzir, por todos os meios disponíveis, o maior número possível de eleitores”.
O caráter sedutor do populismo hodierno assoma nos apelos para reforçar a confiança das massas no líder. Confiem em mim! Essa seria a palavra de ordem. Modalidade ampla de paternalismo, que convive muito bem com as antigas formas de patimonialismo, nos contextos em que se preservaram tais formas de dominação, alheias ao contratualismo europeu-ocidental. A propósito, Taguieff escreve: “Ora, a análise das formações populistas permite estabelecer que o fenômeno neopopulista, na Europa, não pressupõe a existência de uma coerência doutrinária, que conferiria identidade a uma ideologia populista. Isso vale, também, para as formas neopopulistas que surgem com as novas democracias pós-ditatoriais ou pós-totalitárias, democracias frágeis, que se observam notadamente na América Latina ou na Europa do Leste. A mensagem neopopulista se reduz a um confiem em mim! Ou sigam-me! Slogans pronunciados por demagogos expertos na exploração dos recursos mediáticos. A bem da verdade, não há ideologia populista, somente havendo sínteses entre protestas populistas e tal ou qual construção ideológica. O populismo constitui um estilo político alicerçado na convocação ao povo, bem como sobre o culto da defesa do povo, compatível, em princípio, com todas as grandes ideologias políticas (liberalismo, nacionalismo, socialismo, fascismo, anarquismo, etc.)”.
 5) Contestação. O neopopulismo contemporâneo parece emergir do desgaste das democracias representativas, a fim de apresentar uma alternativa democrática, de caráter contestatório. Na América Latina, como destaca O´ Donnell [1986: II, 935] tal fenômeno ocorre como reação contra “formas tradicionais de dominação autoritária” que conduziram a “democracias de participação restrita”. Seja como for, o populismo é uma resposta diante de práticas políticas insatisfatórias e que não representam os interesses da sociedade. A propósito deste ponto, escreve Taguieff [2007: 15]: “A crise da representação, interpretada nos anos 1990 como crise de confiança nas democracias pluralistas, parece ter feito surgir condutas ou atitudes de desconfiança que, pela sua normalização social, tendem a desenhar a figura de uma antidemocracia de caráter contestatório”. Nos hodiernos populismos telúricos latino-americanos (chavista, zapatista, “moralista”, etc.), os líderes aparecem como iconoclastas dos sistemas tradicionais de governo. Tudo deve ir por água abaixo: leis, decisões judiciais, instituições das denominadas democracias burguesas, dando a impressão de que se colocou em marcha um verdadeiro tsunami que levará tudo para o fundo, só restando o líder populista e o povo. Essa iconoclastia aparece como operação de limpeza a ser efetivada, à maneira rousseauniana, pelos “puros” (o líder e os seus asseclas).
Consolida-se, assim, um tipo de populismo contestatório, que é caracterizado por Taguieff [2007: 20], nos seguintes termos: “Enfim, o apelo direto ao povo contra os de cima ou contra os do outro lado orienta-se pela dupla prescrição de romper com o sistema político existente e de mudá-lo: acabar com a burocracia, a partidocracia, a plutocracia, etc. Apelo à mudança, que amiúde assume a forma de um varrer a sujeira ou de uma grande operação de limpeza. Quando prevalece a função tribunícia que expressa politicamente a protesta social, o populismo pode ser chamado de contestatório”.
6) Ação direta. O líder neopopulista apela para a vinculação direta entre ele e o povo, dispensadas mediações institucionais, como as que dizem relação ao governo representativo. É uma espécie de ação direta do líder carismático sobre as massas, em que, certamente, são utilizadas as novas tecnologias como a comunicação on line, via chats, blogs ou foros de debate. A propósito, escreve Taguieff: [2007: 16]: “Enquanto que, nas democracias pluralistas instaladas e tranqüilas, a política supõe mediações e contemporizações – sendo que os debates e as deliberações requerem tempo, bem como mediadores e lugares de mediação -, o imaginário antipolítico do populismo centra-se totalmente na rejeição das mediações, consideradas inúteis ou nocivas. Os líderes populistas propõem-se a derrubar a barreira ou a distância, ou seja, qualquer diferença entre governantes e governados, representantes e representados, ou bem sugerem que eles possuem o poder para abolir qualquer distância entre os desejos e a sua satisfação, de suspender este aspecto do princípio da realidade que é constituído pela inserção na duração, pelo respeito aos prazos, pela contemporização”.
Trata-se, certamente, da irrupção pura e simples da magia na vida política. O líder-salvador tem o poder extraordinário de satisfazer instantaneamente os desejos das massas, só com a dinâmica onipotente de sua vontade, e sem que intermedeiem outras instâncias pessoais ou institucionais.  O líder-salvador pode encarnar uma tradição ancestral de antigas civilizações, como é o caso de Evo Morales, identificado e coroado por um grupo de intelectuais bolivianos na qualidade de “líder supremo dos indígenas do Continente Americano” [Carranza – Ustariz, 2006: 9], antes de ser aclamado como tal pelo povo camponês, quando da sua eleição para a presidência de seu país. Essa relação direta entre líder populista e povo se expressa, no mundo contemporâneo, pela utilização freqüente da consulta direta via referendum ou plebiscito, promovida pelo líder a fim de firmar a sua vontade sobre quaisquer procedimentos institucionais alheios aos seus propósitos.  É a prática que um neopopulista, como Chávez, soube utilizar de maneira perfeita.
7) Semelhança popular. Apela-se, no contexto do populismo contemporâneo, para restabelecer uma relação de semelhança entre o líder e o povo. As antigas elites são desprezadas, na medida em que não se assemelham à massa popular, não possuem a sua alma. O governo, para ser legítimo, tem de estar presidido por alguém que tenha a cara e a alma do povão. Essa tese da ausência de semelhança entre líderes e liderados e da necessidade de restabelecê-la é antiga e se remonta a fontes diversas: Rousseau, Robespierre e Stuart Mill. [Cf. Taguieff, 2007: 17].
No seio dos hodiernos populismos suscitados pela integração européia, prevalece a denúncia de que as elites subordinadas a Bruxelas teriam traído o povo das suas nações, tendo-se colocado a serviço de interesses internacionais. Essas elites não retratam a cara dos seus povos respectivos. A respeito, o Taguieff escreve: “O que chama a atenção do leitor, à primeira vista, em relação aos discursos nacional-populistas contemporâneos é, de um lado, a oposição à construção européia (indo do euro-ceticismo até a pura e simples rejeição), e, de outro lado, a denúncia virulenta contra a globalização. O antieuropeismo não é aqui mais do que uma variável do antielitismo: se a União européia é objeto de críticas, é porque ela seria construída e dirigida por elites separadas do povo e convertidas em estrangeiras em face dos povos europeus. Quanto aos atores sociais mobilizados pelos partidos populistas, podem ser caracterizados, genericamente, como perdedores da globalização. Na retórica do novo populismo, à denúncia do sistema político vigente se junta, pois, a de que se trata de uma realidade mundialista, interpretada como um complô contra os povos e as nações. O antielitismo e a antiglobalização formam um círculo vicioso que se alimenta do imaginário conspiratório” [Taguieff, 2007: 28]. Esse seria um dos elementos preponderantes do neopopulismo de Donald Trump, segundo vários dos seus críticos.
8) Ampla fenotipia. Sendo o neopopulismo um estilo propriamente dito, o seu formato pode informar diversos conteúdos. Três são, segundo Taguieff, as principais manifestações do fenômeno: populismo político, agrário e cultural. Eis a caracterização que deles traça o mencionado autor: “Os populismos políticos apresentam-se como mobilizações ou como regimes compatíveis com qualquer ideologia (socialismo, comunismo, nacionalismo, fascismo, anarquismo, liberalismo, etc.). Assim, os cesarismos populistas latino-americanos são formas de nacionalismo; há populismos que são reacionários, até mesmo racistas, mas não se lhes pode desconhecer nem as realizações parciais da democracia populista (na Suíça, por exemplo), nem o populismo dos políticos, que pode ser definido, segundo Margaret Canovan, como o apelo à reunião do povo para além das diferenças ideológicas. Os populismos agrários, alicerçados na idealização do povo-camponês, ou na estrita defesa dos seus interesses, podem estar ligados a uma forma de messianismo (o populismo russo), a uma reação antiurbana e antiestatizante (o radicalismo dos proprietários rurais de certos Estados norte-americanos) ou a uma variante do nacionalismo étnico (Polônia, Romênia). Quanto ao populismo cultural, manifesta-se na literatura, na pintura ou no cinema, todas as vezes que, nessas manifestações artísticas, predominam temas referidos à vida do povo comum, do povinho ou da gente do lugar, como se dizia antigamente ou, como se diz hoje, das massas ou dos de baixo”. [Taguieff, 2007: 20-21].
9) Denuncismo. O estilo neopopulista de fazer política está acompanhado, quase sempre, de uma variante da mídia: a imprensa que denuncia, de forma sistemática, os males sociais como provenientes das artimanhas dos de cima contra os de baixo. “A sensibilidade populista confunde-se amiúde com a sensibilidade em face da miséria, e o estilo populista com o estilo proletário ou plebeu. O seu postulado ideológico é que os Grandes ou Os de cima mentem e se enriquecem às expensas das pessoas comuns, descritas como vítimas que sofrem. Essa sensibilidade que mistura sentimentos de revolta e compaixão se expressa, encenada e instrumentalizada com fins comerciais, em numerosos diários e semanários que rivalizam em matéria de denúncia contra as elites, mediante a revelação de escândalos que as inculpam. É nesse sentido que se pode dizer que há uma imprensa populista (...)” [Taguieff, 2007: 21].
10) Feição antipolítica. Estilo eminentemente individual de relacionamento entre o líder carismático e o povo, o neopopulismo é, paradoxalmente, antipolítico, na medida em que rejeita qualquer institucionalização no exercício do poder; o líder populista aproxima-se, destarte, do ideal do mínimo institucional, com a finalidade de manter incólume a sua relação de prestígio pessoal em face do povo. García Márquez [2005: 41], em O Outono do Patriarca, deixou clara esta característica, ao mostrar a despreocupação do líder – Juan Vicente Gómez, encarnado no Autocrata solitário – para com a estrutura do Estado, reduzido aos limites da sua casa.  Qualquer mediação que escape ao seu poder pessoal incomoda. Qualquer liderança que apague a sua presença deve ser banida. Taguieff [2007: 22] completa, da seguinte forma, a descrição desta característica do populismo contemporâneo: “As novas formas de populismo, na Europa especialmente, caracterizam-se pela sua orientação antipolítica, que se revela na aparição de paradoxais partidos anti-partidistas nos contextos marcados pela crise da representação política, até mesmo pela crise de confiança nas democracias representativas. Daí provém a rejeição à classe política, que implica, por sua vez, na negação das diferenças político-ideológicas institucionalizadas e dos próprios partidos”.
A classe política, para os líderes neopopulistas, é totalmente corrupta, não vale a pena o trabalho de moralizá-la ou modificá-la, deve-se prescindir dela. Os novos governantes devem surgir diretamente do seio do povo, sem mediações partidárias ou institucionais. Apela-se, aqui, para o antigo sentimento jacobino da pureza ou da virtude. Somente é puro ou virtuoso aquele que provém das entranhas populares.
A respeito deste ponto, escreve Taguieff [2007: 23-24]: “O eco que encontram os líderes populistas depende, notadamente, de um fator circunstancial: o sentimento, fortemente espalhado, de que a classe política, afastada, até mesmo segregada do povo é toda ela corrupta, não reformável. Através da tomada de consciência dessa crise profunda de legitimidade, desenvolve-se a convicção de que é necessário, em conseqüência, mudar as elites dirigentes, fazê-las surgir do povo, a fim de que os governantes se assemelhem aos governados, que os representantes se aproximem, portanto, dos representados. Essa exigência democrática de similitude é lembrada, entre outros, por John Stuart Mill. O ideal consiste no seguinte: os governantes devem ser, de modo insofismável, filhos do povo. É isso precisamente que Platão recusava no regime democrático, em que os governantes se assemelham aos governados e os governados aos governantes, fazendo da democracia um tipo de governo intrinsecamente contingente. Esse é, também, um velho sonho dirigido especialmente, na modernidade européia, contra o quase-racismo existente no Antigo Regime entre as classes superiores e as inferiores, dos de cima (de sangue claro e puro) e dos de baixo (de sangue vil e abjeto). Trata-se, pois, de democratizar o elo representativo pela aproximação e a maximização da semelhança entre representantes e representados. Lucien Jaume destaca criteriosamente que o clube dos Jacobinos assimilou, de Rousseau, aquilo que o poderia legitimar, a saber: a tese normativa de que somente delegados ou mandatários virtuosos (à imagem de um povo virtuoso) poderiam reconciliar a soberania do povo com a sua representação, ou ainda que, para falar como Robespierre, se o corpo representativo não é puro e quase identificado com o povo, a liberdade se perde”.
A opção neopopulista pela antipolítica, cruzada com a secular tradição patrimonialista ibero-americana que faz da coisa pública negócio a ser tangido pelos donos do poder, como se fosse a sua propriedade privada, transfere para o reino do Estado uma atitude de não profissionalismo e de espírito familístico, que fazem com que aquele perca a competitividade necessária nos tempos atuais. A respeito desse fenômeno, Guerreiro e Oliva [2007: 9] destacam o seguinte, adotando, nesse ponto, os arrazoados do cientista político Torquato di Tella: “O fato é que existe uma forma subdesenvolvida de se fazer política, de se administrar e prover serviços públicos essenciais. A maioria dos países da América do Sul não consegue encaminhar soluções objetivas para seus problemas e dilemas sóciopolítico-econômicos. Talvez por isso muitos de seus governantes sejam aprendizes de ditadores e recorram à retórica escapista de que só a revolução dá jeito”.
11) Antielitismo. Os hodiernos populismos possuem uma enorme carga de ressentimento em face das dificuldades que enfrentam os países em vias de desenvolvimento. Os problemas sociais são atribuídos, de forma maniquéia, à presença, no cenário internacional do mundo globalizado, de nações líderes ou poderosas. Esse sentimento ganha destaque em face dos Estados Unidos (especialmente nos casos latino-americano e árabe), ou de Israel (no caso palestino). Taguieff [2007: 23] detalha, da seguinte forma, esta característica: “Quanto ao antiamericanismo que, depois do início dos anos 90, revela-se, via de regra, associado a um anti-sionismo virulento, aparece em todas as formas, de esquerda e de direita, do novo populismo. O antielitismo assume ali, corriqueiramente, a forma clássica da teoria do complô: (Dizem-nos mentiras; somos enganados; somos passados para trás), sobre a base da convicção de que o povo é vítima de um complô organizado contra ele pelos de cima ou pelos de fora ou pelos de lugar nenhum, identificados com as elites transnacionais ou cosmopolitas (os novos donos do mundo), que encarnam o mal político. O antielitismo deriva, amiúde, em conspiracionismo: a globalização é imaginada como a fonte de todos os males da humanidade”.
Vásquez Rial [2003: 247] também destacou a presença do binômio antiamericanismo / anti-semitismo nos discursos de líderes neopopulistas na Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e a Intolerância, reunida em Durban, em 2001, pouco antes dos ataques de 11 de setembro. No caso do neopopulismo brasileiro, é de se destacar o antiamericanismo que inspirou a política externa dos governos de Lula. No plano internacional, o governo brasileiro preferiu se distanciar dos Estados Unidos e se alinhar com a França, sem levar em consideração que, como frisam Viola e Leis [2007: 121], este país “é o que mais fortemente se contrapõe à agenda econômica brasileira”.
12) Nacionalismo. De um modo paradoxal, os neopopulismos telúricos latino-americanos (Chávez, Correa, Morales, Lugo) partem para um acirramento da onda estatizante, a fim de reagir contra as privatizações efetivadas pelas elites liberal-conservadoras nos momentos anteriores. Elas teriam traído a causa do povo ao entregar às multinacionais a riqueza do país. Sem que tal processo signifique uma racionalização do Estado, os novos messias partem para estatizar em nome do povo, politizando, nos casos mais moderados (como no populismo petista) as agências reguladoras, que são tiradas do domínio dos técnicos e entregues às lideranças sindicais, essas sim representativas do povão.  No contexto dessa nacionalização, emerge uma espécie de mágica econômica, que produz resultados alvissareiros.
É o denominado por Alan Greenspan de “populismo econômico”, caracterizado da seguinte forma: “O populismo econômico imagina um mundo mais simples e direto, no qual as estruturas teóricas não passam de dispersões em relação às necessidades evidentes e prementes. Seus princípios são simples. Se há desemprego, o governo deve contratar os desempregados. Se o dinheiro está escasso e as taxas de juros, em conseqüência, estão altas, o governo deve impor limites artificiais ou, então, imprimir mais dinheiro. Se as importações estão ameaçando empregos, proíba as importações” [Greenspan, 2008: 326].
Esta característica nacionalizante, na Europa hodierna, tomou um rumo sui generis: o da contestação antimundialista que exclui imigrantes, no desenvolvimento de um modelo econômico nacional-populista. Nele, as oportunidades de trabalho devem ser preservadas, exclusivamente, para os representantes da autêntica nação (francesa, alemã, austríaca, etc.). A propósito, Taguieff [2007: 26] escreve: “A segunda vaga populista tem-se caracterizado pela geminação da dimensão contestatória e a de origem nacionalista, privilegiando o motivo da identidade – essencialmente definido contra a ameaça da imigração-invasão. Essa tendência irrompeu na França, onde a entrada em cena política do Front national (FN) produziu-se em 1983-1984, ao mesmo tempo em que se impunha a figura emblemática de Jean-Marie Le Pen, o seu líder carismático. Essa onda logo afetou a Áustria, com o avanço do Partido da liberdade (FPÖ), encarnado em Jörg Haider a partir de 1986. A evolução dessas duas formações políticas ilustra a oscilação do novo populismo entre um pólo contestatório e um pólo de identidade: enquanto predomina o exercício da função tribunícia (expressão política do mal-estar social, da raiva de grupos ameaçados ou excluídos), o populismo é de tipo contestatório; já quando prevalecem as preocupações com a identidade (defesa da identidade nacional, rejeição à imigração) apresenta-se como um nacional-populismo”.
II) De que forma o fenômeno do neopopulismo afeta a vida democrática da América do Sul, atualmente e no futuro próximo?
Inserido o estilo populista de governar no contexto da tradição patrimonialista latino-americana, a principal conseqüência é o reforço à tendência que faz da política iniciativa do líder patrimonial, num contexto de espírito clânico e familista. Efetivamente, no patrimonialismo encontramos a privatização da iniciativa política por parte dos denominados “donos do poder”. A sociedade é fraca. O Estado é mais forte do que a sociedade. E, no interior deste, a ação do líder é mais forte do que as iniciativas dos membros da sociedade.
Na atual conjuntura latino-americana observamos isso: a preponderância de políticas personalistas, formuladas pelos líderes neopopulistas, muitas vezes na contramão das expectativas das respectivas sociedades: ocorreu isso na Venezuela dos presidentes Chávez e Maduro, no Equador do ex-presidente Correa, na Bolívia do presidente Morales, na Argentina nos tempos do casal Kirchner e no Brasil dos ex-presidentes Lula e Dilma. Para que as políticas públicas formuladas correspondessem, de fato, aos interesses nacionais, tornar-se-ia necessária a presença atuante dos respectivos Congressos. No entanto, o que se observa é que em todos os países mencionados, o Poder Executivo entrou em atrito com os outros poderes, tendo havido uma evidente hipertrofia daquele. Quando não houve confronto declarado com o Legislativo e o Judiciário, registrou-se amplo processo de cooptação por parte do Executivo (com as conseqüentes práticas corruptas de mensalões e outras modalidades cooptativas). Os Presidentes, via de regra, terminaram assumindo um papel crucial e hipertrofiado no comando do Estado, a partir de reformas constitucionais, como as efetivadas na Venezuela, no Equador e na Bolívia. Formuladas a partir dos pontos de vista particulares de cada um desses mandatários, as políticas públicas terminam-se chocando com os interesses diversificados das suas respectivas sociedades, tendo dado ensejo a profundos conflitos que, como o que ainda está acontecendo na Bolívia, põem em tela de juízo o excessivo centralismo do governo nacional.
Vários autores destacaram essa característica do populismo, dentre eles: Benjamin Arditi, Gino Germani, Susanne Gratius e Ernesto Laclau. O Populismo abrange uma série de práticas de centralização do poder e de relativização das instituições, destacando, em contrapartida, o peso que têm as relações de caráter direto entre o líder populista e as multidões que se sentem espelhadas nele. 
Não é de hoje, aliás, que se sedimentou essa característica, como se pode ver pela presença dela em versões anteriores, nos casos de Facundo Quiroga, na Argentina do século XIX, segundo a análise feita por Domingo Faustino Sarmiento em Facundo: civilização e barbárie no pampa argentino (1846), ou na belíssima versão romanceada por García Márquez em O outono do patriarca (1975) , da sanguinolenta e modernizadora ditadura (1908-1937) de Juan Vicente Gómez na Venezuela.
A revolução bolivariana do falecido coronel Chávez, peça-chave da sua proposta política, cindiu ao meio, com certeza, a sociedade venezuelana. Aqueles setores populares que recebiam generosamente as verbas oficiais, través de inúmeros programas assistencialistas financiados com os petrodólares, deram o seu apoio incondicional ao Chefe do Estado. De qualquer forma, a aliança do chefe do Estado “con los de abajo”, típica do neopopulismo, tem sido uma das notas características do regime venezuelano, bem como a sua política de “mano dura” para com as classes médias, os intelectuais, os empresários (ameaçados volta e meia com a estatização do respectivo setor produtivo) e a imprensa. Sem mencionar os acontecimentos que, uma década atrás, em 2007, involucraram o excêntrico presidente venezuelano de então, Hugo Chávez (um ator marxista-narcisista, como dizia o jornalista Andrés Oppenheimer), com as FARC, ao redor do problema dos reféns da narcoguerrilha colombiana e das obscuras transações ligadas aos lucros desse grupo armado.
Valha recordar aqui, também, a decisão do falecido presidente Chávez de criar linhas de aceitação para a sua política antiimperialista e de cruzada bolivariana, seduzindo outros países da região com os sus petrodólares. Na alça da mira da política exterior bolivariana de Chávez estavam, de início, dois países sul-americanos: Bolívia e Equador, possuidores de riquezas petrolíferas e de gás natural. Era grande o interesse de Chávez pela Bolívia, situada no coração da América do Sul, a partir de cujo território poderia expandir, de forma mais fácil, a sua “revolução” pelo cone sul do Continente.
A telúrica “revolución indígena” do presidente Morales, irmã gêmea da “revolução bolivariana” de Chávez, partiu para uma agressiva política de estatizações no terreno da mineração e da exploração de hidrocarbonetos, aliada a uma decidida ação de expropriações de terras nas áreas produtivas. Problemas de desabastecimento, de carência de créditos externos para a exploração petroleira e de ordem pública ocorreram na Bolívia, com a queda correspondente nos índices de crescimento econômico e os problemas sociais conhecidos de todos.
É de se destacar, de novo, aqui, a aliança, típica do neopopulismo, entre o Executivo hipertrofiado “y los humildes”, os indígenas quéchuas e aymaras, tradicionais plantadores de folha de coca, em cujo benefício, segundo a retórica governamental, são feitas todas as reformas revolucionárias. Mas que, com certeza, estão a pagar a conta da elevação dos preços dos alimentos e dos combustíveis. Poder-se-ia falar, no caso boliviano, da “utopía arcaica” (que puxa o fio da história para trás), de que falava Vargas Llosa [1996] ao analisar a obra de um dos grandes autores do gênero indigenista, José Maria Arguedas, autor do clássico romance intitulado Los ríos profundos. É uma utopia situada no passado longínquo do império incaico, impossível de ser revivido.
No Equador do ex-presidente Correa, observa-se a mesma aliança entre o chefe do Estado e “los de abajo”, os cholos, historicamente explorados como denunciava o grande romancista Jorge Icaza, na década de vinte do século passado, no seu belo romance Huasipungo. Após vários governos que foram colocados em questão pelos movimentos indígenas, o mandatário mencionado, formado em reconhecida universidade estadunidense, elaborou ampla proposta de reformas que fortaleceram o executivo sobre os demais poderes. Ambiciosa ação legislativa em benefício das comunidades indígenas foi deflagrada pelo ex-presidente equatoriano, ao passo que denunciava o tratado que o Equador tinha com os Estados Unidos para a manutenção da Base de Manta, e negociava a mesma com os chineses. Entusiasticamente apoiado pelo presidente Chávez, Correa partiu para uma agressiva política de confronto com o governo da Colômbia, a partir da morte do segundo homem das FARC, Raul Reyes, em território equatoriano, pelas forças armadas colombianas. Parece que, tanto no caso equatoriano quanto no boliviano, os petrodólares do presidente Chávez foram um argumento forte para apoiar a “revolução bolivariana”, que buscava integrar os países da América do Sul ao redor da Venezuela, e em confronto com os Estados Unidos.
Na Argentina do casal Kirchner, permaneceu clara a aliança do governo com os grandes sindicatos de trabalhadores, reforçando, assim, a tradição populista do peronismo, na qual se situavam esses novos atores políticos. Era clara a simpatia – e a dependência em matéria de petrodólares para as eleições – dos governos do casal Kirchner em face do presidente Chávez. O confronto com os tradicionais produtores rurais deixou clara a aliança “con los de abajo”, mas aumentou, com certeza, os problemas de desabastecimento, tendo comprometido, de outro lado, a capacidade exportadora do país.
No Brasil, a política desenvolvida pelo presidente Lula, ao longo de seus dois mandatos, deixou clara uma coisa: a aliança neopopulista do governo com os denominados “movimentos sociais”, no contexto ideológico da denominada “revolução cultural gramsciana” [cf. Vélez-Rodríguez, 2006a: 71-99]. Movimento dos Sem Terra, Movimento dos Afetados por Barragens, Movimento dos Quilombolas, Movimento dos Indígenas, Movimento dos Sem Teto, etc., são inúmeras as entidades contempladas pelos generosos recursos oficiais, distribuídos à torta e à direita por centenas de Ongs, cuja gestão fugiu ao controle do governo. Isso para não falar do programa “Bolsa Família”, que se tornou verdadeira festança assistencialista, devido ao fato de que não havia seguimento do Estado em face desses benefícios, que em muito fizeram crescer os gastos públicos. (Fica evidente, aqui, a presença do modelo ético pombalino do “Estado Empresário que garante a riqueza da nação”). Era clara a tolerância oficial em face dos desmandos de movimentos como o MST, cujos ativistas peitavam autoridades locais, destruíam patrimônio público, invadiam propriedades produtivas, desconheciam sumariamente decisões da justiça, aniquilavam centros de pesquisa agropecuária, tudo em aliança com grupos internacionais como Via Campesina e contando com a complacência do ministério da Reforma Agrária [Cf. Vélez-Rodríguez, 2005].
Paralelamente, nenhuma medida foi tomada pelo governo para que os arruaceiros passassem a respeitar as instituições de direito. Tudo sob as bênçãos estapafúrdias da Comissão da Pastoral da Terra y do Conselho Indigenista Missionário da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Políticas atentatórias contra a soberania nacional foram postas irresponsavelmente sobre o tapete, com assinatura de documentos e declarações em foros internacionais que, se tivessem sido levados à prática, teriam conduzido a sérios riscos para a manutenção da unidade nacional em terras indígenas, como aconteceu na criação da reserva “Raposa Serra do Sol”, em Roraima, seriamente questionada por juristas, intelectuais, empresários e militares.
Na retórica do ex-presidente Lula, aparecia como leitmotiv dos seus pronunciamentos a denúncia contra as maquinações das denominadas elites, que estariam tentando preservar privilégios em face das demandas do povão. Lula situava-se, nos palanques, ao lado dos humildes, dos descamisados, dos pretos, índios e quilombolas. Mas, de outro lado, preservava as linhas mestras da política macroeconômica herdada dos governos anteriores, o que lhe possibilitou atrair as inversões externas e a entrada de divisas necessárias para manter o crescimento econômico, em que pese o absurdo aumento do gasto público e o calote do governo à dívida interna, que mais do que triplicou ao longo dos últimos anos.
Era clara a simpatia do ex-presidente Lula pelo seu homólogo venezuelano, a quem deu apoio estratégico num momento decisivo para a permanência de Chávez no poder, tendo enviado um navio da Petrobrás a fim de garantir o abastecimento, ameaçado pela greve geral em 2003. O populismo do carismático Lula coexistia perfeitamente com a estrutura patrimonial do Estado, que levou o partido do governo a gerir a coisa pública como propriedade privada, com os desmandos de corrupção generalizada que mancharam a memória do outrora moralizante grupo de petistas alçados ao poder em 2002. Populismo e tradição patrimonialista fundiram-se, certamente, em macunaímico carnaval, que deitou por terra a moral pública e que entronizou o cinismo do bateu-levou ou da ética totalitária gramsciana, que visa à hegemonia do proletariado. Consolidou-se, no Brasil, novo modelo de neopopulismo de esquerda, de tipo peleguista e estatizante ao qual se opôs, com coragem, o candidato presidencial Jair Messias Bolsonaro.
Conclusão.
O neopopulismo na América do Sul, como estilo praticado por governantes carismáticos no seio da mais ampla estrutura patrimonialista da sociedade, conduziu estes países, certamente, a um longo período de estagnação, em decorrência da falta de racionalidade na gestão do Estado. Compadrio, corrupção, autoritarismo, falta de transparência, desaguaram em enfraquecimento progressivo da democracia e perda da capacidade competitiva, num mundo em que este fator é fundamental para garantir a sobrevivência em meio a países que, como a China e a Índia, crescem de forma continuada e agressiva. O neopopulismo traduziu-se, assim, via de regra, em fator de atraso para os países latino-americanos.
É bem verdade que a onda neopopulista encontrou os nossos países com uma boa situação econômica, em parte decorrente das medidas saneadoras realizadas ao longo dos anos 90 do século passado, no terreno do controle sobre a inflação e em parte, também, em virtude da valorização das commodities produzidas na região, no mercado internacional. Assim, como frisava Álvaro Vargas Llosa, [2007: 19], “o que está ocorrendo agora é que os populistas têm muito dinheiro à sua disposição, desde Hugo Chávez até Nestor Kirschner”. Mas a situação, não podemos negar, mudou fortemente, tendo aparecido dificuldades decorrentes da instabilidade dos mercados internacionais. Em face dessas incertezas, uma nova geração de governantes aparece no Peru, no Chile, no Equador, na Colômbia, na Argentina e no Brasil. Essa nova geração não se despiu por completo do estilo populista. Mas o pôs a serviço da reconstrução das instituições. O exemplo de Álvaro Uribe Vélez, na Colômbia, é muito significativo e abriu espaço para uma nova geração de mandatários, da qual o atual presidente colombiano, Ivan Duque, é digno representante.
Do neopopulismo praticado pelas lideranças de esquerda na América Latina nas décadas anteriores ficou clara uma lição: pretender substituir a representação política pela política de participação direta do povo em praça pública, é uma infantilidade que sempre sai cara. Nas sociedades de massas, a deliberação da democracia participativa pressupõe e complementa, não substitui, a democracia representativa. Essa vã tentativa escora-se num pressuposto falso, decorrente do democratismo rousseauniano: a legitimidade de quem é eleito pelo voto direto confere-lhe uma soberania total, sendo que o mandato conferido em eleições refere-se a aspectos limitados que não abarcam a totalidade da vida social. Presidentes eleitos são legítimos para agirem dentro dos marcos da soberania limitada assinalada pela Constituição, não para exercerem um poder discricionário. Esta crítica já tinha sido feita, no início do século XIX, por Benjamin Constant de Rebecque, nos seus Princípios de política. A nossa tradição patrimonialista simplesmente passou uma borracha sobre estes ensinamentos do liberalismo doutrinário.
Somente uma crítica continuada acerca dos mecanismos de ensimesmamento, de autoritarismo e de espírito antiliberal presentes nos vários neopopulismos na América Latina, afastar-nos-á da cilada da utopia arcaica que ameaça nos levar de volta ao passado.


BIBLIOGRAFIA
ALMEIDA, Alberto Carlos. A cabeça do brasileiro. (Com a colaboração de Clifford Young). Rio de Janeiro – São Paulo: Record, 2007.
ALMEIDA, Alberto Carlos. Por que Lula? – O contexto e as estratégias políticas que explicam a eleição e a crise. Rio de Janeiro – São Paulo: Record, 2006.
ARCE CATACORA, Luís Alberto. “Economía de Bolívia – Diagnóstico y planos para el 2008”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 7 (julho / setembro 2007): p. 26-48.
ARGUEDAS, José Maria. Os rios profundos. (Tradução de Gloria Rodríguez). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
BARRERA TYSZKA, Alberto; MARCANO, Cristina. Hugo Chávez sem uniforme.  – Uma história pessoal. (Prólogo de Francisco Carlos Teixeira da Silva; tradução de Marcos Santarrita).  Rio de Janeiro: Gryphus, 2006.
BARRETO, Luiz; MAGALHÃES, Inês; TREVAS, Vicente (organizadores). Governo e cidadania – Balanço e reflexões sobre o modo petista de governar. 1ª. Edição. São Paulo: Editora da Fundação Perseu Abramo, 1999.
CARRANZA, Alejandra; USTARIZ ARCE, Reginaldo. Evo Morales, um indígena presidente – Como um aimará voltou ao poder. (Tradução de Carolina Elizabeth Osinaga Ustariz e Hebe Terán Arnéz). São Paulo: Brasbol, 2006.
CHÁVEZ FRÍAS, Hugo. “Acerca de la gandísima importância de un partido”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 205-234.
CONSTANT DE REBECQUE, Henri-Benjamin. Princípios de política aplicáveis a todos os governos. (Tradução da edição inglesa e organização do índice a cargo de Joubert de Oliveira Brízida; edição preparada por José Mário Pereira; introdução de Nicholas Capaldi). Rio de Janeiro: Topbooks / Liberty Classics, 2007.
CORREA DELGADO, Rafael. “Un plan para Ecuador”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 91-97.
DI FELICE, Massimo; MUÑOZ, Cristobal (organizadores). A revolução invencível – Subcomandante Marcos e Exército Zapatista de Libertação Nacional, Cartas e Comunicados. (Tradução de Cláudia Schilling e Valter Pomar). 1ª. Edição. São Paulo: Boitempo, 1998.
DI TELLA, Torcuato. "The Transformations of Populism in Latin America". Journal of International Cooperation Studies, vol. 5 nº 1 (June 199) pgs. 47-78.
DORNBUSCH, Rudiger / Sebastian EDWARDS. The Macroeconomics of Populism in Latin America. Chicago: Chicago University Press, 1991, Cap. 1, "The Macroeconomics of Populism", pg. 7-13.
FERNÁNDEZ DE KIRCHNER, Cristina. “Realidad de Argentina y de la región”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril/junho 2007): p. 5-14.
FERREIRA, Jorge (organizador). O populismo e sua história – Debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel. El otoño del patriarca. 4ª. Edição. Buenos Aires: Debolsillo, 2005.
GERMANI, Gino. Authoritarianism, Fascism and National Populism. New Brunswick: Transaction Books, 1978. Capítulo 8, "Middle Classes and Social Mobilization in the Rise of Italian Fascism: A Comparison with the Argentine Case", pgs. 225-242.
GREENSPAN, Alan. “América Latina e populismo”. In: A era da turbulência – Aventuras em um novo mundo. (Apresentação de Pedro Malan; tradução de Afonso Celso da Cunha Serra). Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, p. 322-332.
GRATIUS, Susanne. "The 'Third Wave of Populism' in Latin America". Fundación para las Relaciones Internacionales y el Diálogo Exterior. Madrid, October 2007 pgs. 1-19.
GUERREIRO, Mário; OLIVA, Alberto.  “Populismo: ilusionismo e auto-engano”. In: Banco de Idéias. Rio de Janeiro, vol. 10, no. 37 (dezembro 2006, janeiro/fevereiro 2007): p. 7-10.
ICAZA, Jorge. Huasipungo. (Tradução de António José Massano). Lisboa: Edições 70, 1980.
LACALLE DE HERRERA, Luis Alberto. “Mercosur – Proyecto y perspectivas”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 196-204.
MARTÍ, José. Nossa América. (Apresentação de Fernando Peixoto; introdução de Roberto Fernández Retamar; tradução de Maria Angélica de Almeida Tajber e Beatriz Cannabrava). 3ª. Edição. São Paulo: Hucitec, 2006.
O´ DONNELL, Guillermo. “Populismo”. In: Dicionário de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas / Fundação de Assistência ao Estudante, 1986, vol. 2, p. 935-937.
KRAUZE, Enrique. Redeemers - Ideas and Power in Latin America. (Tradução ao inglês de Frank Heifetz e Natasha Wimmer). New York: Harper Collins, 2011.
LACLAU, Ernesto. On Populist Reason. London: Verso, 2005, Parte I, Capítulo 1º:"Populism: Ambiguities and Paradoxes", pg. 3-20.
LÓPEZ MAYA, Margarita. "Popular Power in the Discourse of Hugo Chávez´s Government (1999-2013)", In: The Promise adns Perils of Populism: Global Perspectives. (Obra editada por Carlos de La Torre). Lexington: The University Press of Kentucky, 2015.
PAIM, Antônio. A querela do estatismo. 1ª edição. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.
PAIM, Antônio (organizador). O Patrimonialismo brasileiro em foco. (Campinas: Vide Editorial, 2015 (em colaboração com Antônio Roberto Batista, Paulo Kramer e Ricardo Vélez Rodríguez).
PAIM, Antônio. Para entender o PT. 1ª. Edição. Londrina: Edições Humanidades, 2002.
PANIZZA, Francisco. Populism and the Mirror of Democracy. (Editado por Francisco Panizza). London: Verso, 2005. Seleção da Introdução: "What is Populism?", "The Conditions of Emergence of Populism", "Who are the People?", pgs. 2-17 e "The Populist Gaze", pg. 24-31.
PENNA, José Osvaldo de Meira. O Dinossauro – Uma pesquisa sobre o Estado, o patrimonialismo selvagem e a nova classe de intelectuais e burocratas. São Paulo: Queiroz, 1988.
PERÓN, Juan Domingo. Bajo el signo de las masas (1943-1973) - Biblioteca del Pensamiento Argentino, Volumen VI. (Edición preparada por Carlos Altamirano). Buenos Aires: Emecé, 2007.
PERUZZOTTI, Enrique. "Populism in Democratic Times: Populism, Representative Democracy, and the Debate on Democratic Deepenig". In: Latin American Populism in the Twenty-First Century, (editado por Carlos de la Torre e Cynthia J. Arnson), Baltimore: John Hopkins University Press, 2013, pg. 61-84.
QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del poder, globalización y democracia”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 133-181.
RIKER, William H.  Liberalism Against Populism. Prospect heights: Waveland Press, Inc., 1982. Cap. 1, "The Connection Between the Theory of Social Choice, and the Theory of Democracy". pg. 1-16.
RIVAROLA, Milda. “Paraguay – Estado patrimonial y clientelismo”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 110-132.
SCHAMIS, Hector E. "From the Peróns to the Kirchners", in: Latin American Populism in the Twenty-First Century. (Editado por Carlos de La Torre e Cynthia Arnson). Baltimore: John Hopkins University Press, 2013, pg.  151-163.
SCHWARTZMAN, Simon. Coesão social, democracia e corrupção. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso – CEPLAN, 2007.
SIGAL, Silvia / Eliseo VERÓN. Perón o muerte - Los fundamentos discursivos del fenómeno peronista. Buenos Aires: Biblioteca Virtual Universal, 2006, Pg. 1-28.
STOLL, David. Rigoberta Menchú and the story of all poor Guatemalans. Boulder – Colorado; Oxford: Westview Press, 1999.
TAGUIEFF, Pierre-André. L´Illusion populiste – Essai sur les démagogies de l´âge démocratique. 2ª. Edição. Paris: Flammarion, 2007.
TOCQUEVILLE, Alexis de. Oeuvres II. (Edição sob a coordenação de André Jardin, com a colaboração de Jean-Claude Lamberti e James T. Schleifer). Paris: Gallimard, 1992, Bibliothèque de La Pléiade.
URIBE VÉLEZ, Álvaro. “Colombia – Retos hasta 2010”. In: DEP – Diplomacia, Estratégia, Política. Brasília, no. 6 (abril / junho 2007): p. 76-90.
VARGAS LLOSA, Álvaro. “Populismo e Ditadura” (entrevista). In: Banco de Idéias, Rio de Janeiro, vol. 11, no. 39 (junho-agosto 2007): p. 17-23.
VARGAS LLOSA, Mario. La utopía arcaica – José Maria Arguedas y las ficciones del indigenismo. México: Fondo de Cultura Econômica, 1996.
VÁSQUEZ-RIAL, Horácio. La izquierda reaccionaria – Síndrome y mitologia. 2ª. Edição. Barcelona: Edições B, 2003.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. A democracia liberal segundo Alexis de Tocqueville. São Paulo: Mandarim, 1998.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. A análise do Patrimonialismo na Literatura Latino-Americana – O Estado gerido como bem familiar. Rio de Janeiro: Documenta Histórica / Instituto Liberal, 2008.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. A grande mentira: Lula e o patrimonialismo petista. Campinas: Vide Editorial, 2015.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Castilhismo: uma filosofia da República. 2ª edição revisada e aumentada. (Apresentação de Antônio Paim). Brasília: Senado Federal, 2000.
VÉLEZ-RODORÍGUEZ, Ricardo. Da guerra à pacificação: a escolha colombiana. Campinas: Vide Editorial, 2010.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Estado, cultura y sociedad em la América Latina. Bogotá: Universidad Central, 2000.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Liberalismo y conservatismo em América Latina. Bogotá: Ediciones Tercer Mundo, 1978.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Movimento dos Sem-terra – Questões estratégicas. Juiz de Fora: Portal Defesa, 2005. [In: http://www.defesa.ufjf.br/fts/MST.pdf].
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. “O marxismo gramsciano, pano de fundo ideológico da reforma educacional petista”. Ibérica – Revista Interdisciplinar de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos. Juiz de Fora, vol. I, no. 1 (setembro / novembro 2006a): p. 71-99. [In: http://www.estudosibericos.com/arquivo/iberica1.pdf].
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Patrimonialismo e a realidade latino-americana. 1ª edição, Rio de Janeiro: Documenta Histórica, 2006b. (2ªedição revista e atualizada, Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 2017).
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. Pensamento político brasileiro contemporâneo. (Apresentação do Cel. Aviador Araken Hipólito da Costa). Rio de Janeiro: Editora Revista Aeronáutica, 2012.
VÉLEZ-RODRÍGUEZ, Ricardo. “Politischer Messianismus und Theologie der Befreiung”. Internationale katholische Zeitschrift - Communio Verlag. Paderborn, nº 4 (1984): p. 343-354.
VIOLA, Eduardo; LEIS, Héctor Ricardo. Sistema internacional com hegemonia das economias de mercado – Desafios do Brasil e Argentina. Florianópolis: Insular, 2007.
WEBER, Max. Economia y sociedad – Esbozo de sociologia comprensiva. 2ª. Edição em espanhol. (Edição preparada por Johannes Winckelmann; nota preliminar de José Media Echavaría; tradução de José Medina Echavarría, Juan Roura Parella, Eduardo García Máynez, Eugenio Ímaz e José Ferrater Mora). México: Fondo de Cultura Econômica, 1977, 2 volumes.
WEBER, Max. On Charisma and Institution Building. University of Chicago Press, 1968.
WEFFORT, Francisco. “Le populisme dans la politique brésilienne”. In: Les Temps Modernes. Paris, no. 257 (out. 1967): p. 624-649.




[1] Não tratarei neste texto acerca do fenômeno do populismo atual no México, centrado ao redor de dois pólos: o oficial, do governo de López Obrador, e o “populismo do terror” dos cartéis mexicanos de drogas (notadamente o Cartel dos Zetas, de longe o mais violento de todos). O caso mexicano exige uma abordagem mais sistemática, do ângulo sociológico, por se tratar justamente daquilo que o Nobel mexicano de Literatura, Octavio Paz, denominava de “El Ogro Filantrópico”, título, aliás, da sua grande obra intitulada: El Ogro Filantrópico (Barcelona: Seix Barral, 1983). Essa feição de pai bondoso e de ogre que castiga vincula-se a um passado longínquo de mitos telúricos indígenas e mitos ibéricos de origem cristã. Por razões semelhantes, não tratarei aqui acerca dos populismos caribenhos e centro-americanos, embora apresentem obras que os abordem de forma completa, do ângulo da ficção literária. Inserem-se tais populismos num contexto antigo, herdeiro do despotismo hispano-árabe vinculado aos tradicionais despotismos de olmecas, maias e astecas, e do vodu caribenho. Os romances de Mario Vargas Llosa (La fiesta del Chivo) e de Miguel Angel Asturias (El señor presidente) são, por si sós, fontes suficientemente densas, que mergulham num passado mitológico que desborda os limites temporais assinalados para este trabalho.