VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar este blog

domingo, 3 de junho de 2012

PEGADAS DOS FATOS


O pensamento dos pré-socráticos constitui um sinaleiro do sentido da razão para o homem. A nossa espécie “sapiens sapiens”, efetivamente, através desses pensadores do século VI a. C., efetivou um progresso decisivo na conquista da racionalidade: evoluímos da representação puramente mítica, realizada com imagens plásticas, para uma visão racional, crítica, através de conceitos abstratos construídos pela razão, a partir dos dados da experiência. O homem ocidental passou a buscar uma representação lógica da realidade, sendo a razão o grande instrumento dessa busca e constituindo ela o tribunal perante o qual se julgaria o que é certo e o que é errado. Se uma determinada representação satisfaz à razão, é certa; se não a satisfaz, é incluída entre aquelas, das quais devemos desconfiar. É da lavra do pré-socrático Parmênides de Eléia (530-460 a. C.) o belo poema intitulado Sobre a Natureza (Perí tes fuseos), cuja tradução do grego para o português, da lavra de Geraldo Mello Mourão, foi publicada primorosamente, em São Paulo, pela editora GRD. Segundo o relato do mencionado poema, o homem empreende longa viagem desde o reduto das sombras da noite até a luz esplendorosa do meio-dia, guiado por “cocheiros imortais” as Helíades, filhas do Sol, que representam as duas janelas do nosso conhecimento: experiência e razão. Na culminância dessa viagem (que antecipa, genialmente, o Discurso do Método de Descartes), a deusa da verdade, Themis, que representa a ordem do cosmo e a lei divina, diz carinhosamente ao viajante: “Agora é preciso que mergulhes em todas as indagações: tanto da Aletheia (a Verdade), que contempla tudo, cujo coração não treme, como das coisas caras aos mortais, que não alcançam a Aletheia”. Ou seja: a deusa da Verdade recomenda que o homem leve em consideração os fatos cotidianos, que constituem aquilo que agrada aos homens, mas que não fique somente aí e parta, à luz da razão “que contempla tudo, cujo coração não treme”, para buscar aqueles rios subterrâneos que não aparecem no comportamento cotidiano, mas que o norteiam. 

Pois bem: ao longo das últimas semanas temos sido literalmente inundados por torrente de notícias nada edificantes acerca das armações do ex-presidente Lula, que aparentemente têm três finalidades: potencializar o seu candidato ao governo de São Paulo, distrair a atenção dos brasileiros em face do julgamento do Mensalão com a CPI do Cachoeira e, ao mesmo tempo, criar constrangimentos para os juízes do Supremo. Essas são as coisas que a experiência nos apresenta. As análises jornalísticas, via de regra, debruçam-se sobre os fatos mencionados, tentando encontrar uma ilação para os mesmos. Importante reconstrução, mas não suficiente.

Gostaria de ir um pouco mais fundo na análise do acontecido, a fim de investigar as raízes profundas desse comportamento.  Os fatos apresentados não são fruto, apenas, de uma circunstância pré-eleitoral, que a atual legislação permite que aconteça (enquanto não forem oficializados os candidatos dos Partidos). Ora, todo mundo sabe quais eles são, na cidade de São Paulo. Mas, como não foram formalizados, “ainda não são candidatos” e, nessa brecha, espertamente Lula deita e rola fazendo campanha escancarada em prol do seu candidato, indo com ele ao programa de conhecido apresentador populista, proclamando que o que busca é que não seja mais eleito um candidato do partido adversário, etc.

Tentando encontrar as razões profundas para o comportamento lulista, eis que encontramos as seguintes motivações secretas que o explicam. Em primeiro lugar, tanto Lula quanto a militância petista deixaram claro, desde o início do primeiro governo do ex-presidente, que a ética que os anima é a totalitária, segundo a qual “os fins justificam os meios”. Ora, como dizia o velho Aristóteles, a questão ética não é de fins, mas de meios. Eis por que, o filósofo considerava que a virtude que deveria pautar o comportamento do homem que buscasse agir eticamente, deveria ser a Prudência (sofrosíne), que o ajuda a encontrar os meios adequados (de acordo com a sensibilidade moral), para a conquista dos fins almejados.  Em segundo lugar, o que menos interessa a Lula e aos seus correligionários é a transparência, indo aqui contra o imperativo categórico que, na modernidade, tornou-se norte da política. Refiro-me ao mandamento da transparência, formulado por Immanuel Kant no final do século XVIII. Em política, segundo o pensador alemão, para termos eticidade, é necessário que os atores ajam às claras, com transparência, divulgando publicamente os motivos da sua ação. Essa é a condição em que também se sedimenta a paz social. Se todos duvidamos dos atores políticos, instaura-se o clima de desconfiança que conduz à guerra. Somente com transparência se conseguirá, segundo o filósofo, um ambiente ético na política, assim como a paz perpétua. Em terceiro lugar, tanto Lula quanto os petistas somente “pensam naquilo”, quando se trata de política. Somente cogitam, efetivamente, na hegemonia do “novo príncipe”, o Partido, o PT, o grande ator, que deve, hegemonicamente, sufocando qualquer oposição, exercer o poder sem contestação de nenhuma espécie. Eis aqui o princípio do patotismo, que constitui a essência do Estado patrimonial: agir como se só existisse a própria patota, fazendo simplesmente abstração do resto.

Na medida em que as razões apontadas não mudem, teremos um clima de instabilidade e de desconfiança para o exercício da política republicana. E por falar em República (que é um termo que enche a boca de petistas e coligados), ela consiste, como dizia Tocqueville, no “reino tranqüilo da maioria”. Isto certamente contrasta com a versão de República de patota que Lula e os petistas tentam implantar, com exclusão de qualquer partido que não seja o seu do exercício legítimo do poder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário